COMPORTAS DE BOQUEIRÃO: COVARDIA E IRRESPONSABILIDADE

A preocupação da população de Cajazeiras e da região é grande, diante da seca que está atravessando e sem perspectivas de chuvas este ano. Muitos temem a possibilidade de Boqueirão secar, como já aconteceu com outros mananciais.

Atualmente o açude está com apenas 14% de sua capacidade é ninguém fala sobre racionamento na cidade de Cajazeiras, sendo que não há previsão de um bom inverno para o ano que vem.

O fechamento das comportas do Açude de Engenheiro Ávido (Boqueirão de Piranhas) deixou o Rio Piranhas sem água corrente. Além dos ribeirinhos que estão sem água para a irrigação de suas plantações, consumo humano e animal, o fechamento provocou uma mortandade grande de peixes. A mortandade de peixes nas lagoas que se formaram no leito do rio está gerando muita fedentina, constituindo-se num verdadeiro crime ambiental.

Na opinião de pequenos produtores que têm suas propriedades nas margens do rio, o IBAMA deveria intervir, resgatando esses peixes e levando-os para um açude. Porém, eles defendem a abertura das comportas, numa quantidade de água que não coloque em risco o abastecimento humano, principalmente da cidade de Cajazeiras.

Outra situação difícil é a do perímetro irrigado de São Gonçalo onde o que se ver é uma verdadeira desolação, tudo seco, coqueiros mortos e outros morrendo. Causando tristeza e revolta a todos.

Lideranças políticas da cidade de Sousa, a exemplo do prefeito André Gadelha (PMDB), deputado federal Leonardo Gadelha (PSC) e deputado estadual Lindolfo Pires (DEM).

Estão incansavelmente lutando para que as comportas do açude de boqueirão de piranhas sejam abertas o mais breve possível, muitas coisa está em jogo, inclusive o orgulho do atual prefeito de Sousa que mediante suas declarações aparentou arrogância e petulância na defesa de grandes empresários que financiaram sua campanha, preocupados com suas plantações de cocos, já que não nenhum reside aqui no Alto Sertão do estado e com uma falta de água geral nenhum seria afetado. O objetivo é a liberação de 12 milhões de metros cúbicos para a irrigação de coqueiros no perímetro irrigados de Sousa.

Diante desses problemas, cabem-nos algumas reflexões:

Primeiro: A atual situação é uma desgraça anunciada e prevista já que irresponsavelmente soltaram água sem medir as consequências, sem previsões e precauções, pois no mês de agosto do ano passado o que se via no Perímetro irrigado de São Gonçalo eram os drenos cheios e áreas inundadas, se constituindo num verdadeiro desperdício;

Segundo: O atual sistema de irrigação daquele perímetro é arcaico e impraticável, pois incorre em desperdícios, aliás, não podemos chamar aquilo de irrigação e sim de aguação;

Terceiro: Existia uma adutora paralela a da DAESA onde muitos se utilizavam desta de uma forma irracional onde o que se via era as torneiras ligadas dia e noite, constituindo-se num verdadeiro desperdício irresponsável. Por que nãodesativaram essa adutora antes?

Quarto: Por que aqueles que se dizem representantes de Sousa nunca lutaram em prol de uma mudança no sistema de irrigação do Perímetro Irrigado de São Gonçalo?

Quinto: Por que esses que se dizem representantes de Sousa foram coniventes com o desvio do Canal da Redenção? Será por que foram beneficiados, já que as fazendas deles ficam ou ficavam localizadas justamente na área para onde foi desviado o canal? Será que alguns deles receberam

Algum benefício, principalmente nas “negociatas” das indenizações? Por que não houve mobilizações e protestos contra essa verdadeira covardia com São Gonçalo?

Sexto: Por que a ANA (Agência Nacional de Águas) não impõe moral para se fizer cumprir a legislação que regulariza a reserva de segurança nos mananciais?

Está na hora de acordarmos, não deveríamos aceitar tudo calado, vamos reagir protestar, lutar se possível, até mesmo formarmos “barreiras” para impedir o acesso daqueles querem abrir as comportas.

Conclamamos a todos a irmos à luta!

 

Por Afonso Jr.

COMPARTILHAR