Exclusivo: fóssil de dinossauro é encontrado em Sousa; “primeira ocorrência no Nordeste e o mais antigo do Brasil”

A reportagem do portal CONEXÃOPB recebeu informação com exclusividade nesta quarta-feira (27), sobre a descoberta de um fóssil de dinossauro que foi encontrado no ano de 2014, na Lagoa do Forno, zona rural de Sousa. Na ocasião, entrevistou a professora, Alcina Magnólia França, que faz parte do Setor de Paleontologia e do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Segundo a professora, o que foi encontrado em Sousa é um fóssil de perna de um dinossauro da espécie Titanossauro que corresponde ao indivíduo jovem de um dinossauro de maior porte e de pescoço longo. Ainda conforme a pesquisadora, o que foi encontrado em solo sousense é inédito é a primeira ocorrência do nordeste e o mais antigo do Brasil.

Alcina França disse que no ano de 2014 veio a Sousa e o sousense Luiz Carlos que deu a indicação do fóssil que foi retirado da rocha e levado para o laboratório de paleontologia da UFPE. “Foi feita a indicação da anatomia, comparado com fósseis para ser chegar a uma comprovação. Com essa descoberta aqui na região ajudar entender melhor como era a diversidade que existia entre 120 a 130 milhões de anos atrás. “Ressalto que mais estudo paleontológico seja feito na região, externou.

Já a diretora do Vale dos Dinossauros, Alesçandra Mariz, disse à nossa reportagem que o procedimento agora é levar o fóssil até uma unidade de conservação. “No momento, o fóssil não vai ser exposto porque vai ser guardado em um ambiente adequado, só em breve será disponibilizado para a visualização das pessoas que forem visitar o museu. A descoberta é motivo de satisfação para todos os sousenses porque enriquece o acervo do sítio arqueológico”, disse.

O Procurador do Ministério Público Federal, Thiago Misael de Jesus, argumentou que os sítios paleológicos são bens da união e a responsabilidade dos órgãos que realizam a preservação desses fósseis também é do MPF. “Quando é encontrado um fóssil tem que comunicar ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPN), no entanto, se um cidadão encontrar algum material a gente recebe e logo depois a informação será encaminhada ao DNPN”, falou.

Para Thiago Misael, é importante esclarecer aos cidadãos que os sítios paleontológicos têm um valor econômico com potencial turístico de um determinado local. “É muito importante que esses locais sejam preservados para serem visitados”, destacou.

 

Por CONEXÃOPB

 

 

COMPARTILHAR