Fugindo da Morte

Hoje ao escrever este comentário, nos sentimos aliviados, pois o Atlético está prestes a fugir da degola ou da morte como chamam os quatro times de pior campanha no campeonato Paraibano. O nos é porque a torcida atleticana se sente assim, pois era dado como certa a ido do Trovão à segunda divisão. O time começou bem o tal “Torneio da Morte”, ganhando do Auto em pleno Perpetão por 1×0  numa falha da defesa da equipe automobilística; isso deu um viés bem positivo para à equipe sertaneja, que era vista como a mais fraca do torneio, já que só tinha feito cinco pontos apenas. Time com astral positivo, o negócio era ir a Patos e conseguir um bom resultado para manter acesa as esperanças para 2017. A equipe não jogou bem, mas também se segurou na defesa e impediu que a fraca equipe do Esporte conseguisse alguma coisa, e no final da partida veio o bônus, o Atlético conseguiu um gol chorado e despachou o patinho para uma crise sem precedentes, como também à segunda divisão do Paraibano. Foi ruim para o Sertão, pois o time patoense subiu este ano, quase não entra, devido a vários fatores, agora, levou o coice final, e praticamente está rebaixado para a segundona.

A noite da glória atleticana foi Quarta-feira, 13 de Abril, Perpetão lotado, torcida em festa, pois o Trovão já poderia marcar seu passaporte para 2017.  A imprensa chamou o torcedor, pois era o dia mais importante para as pretensões alvi azulinas, além do primeiro lugar, a vaga garantida para o próximo Paraibano; assim foi feito, todo mundo de Azul e Branco para incentivar à equipe contra o Santa canavieiro. O astral estava em alta e o Trovão foi pra cima, num cruzamento das linha de fundo o goleiro deu rebote e Chulapa fez o gol. Daí era só manter a calma e segurar o jogo, mas o Santa empatou em uma cobrança de falta que enganou o goleiro do Trovão, deixando assim o torcedor apreensivo. A noite era atleticana, pois em uma cobrança de falta a bola foi alçada na área e David fez o gol da vitória  e da quase classificação do Atlético para 2017. Sábado o time foi a Santa Rita para enfrentar de novo o Santa, onde perdeu a a partida. Ainda nos encontraremos com o Esporte no Perpetão, o que pode nos dar mais três pontos e garantir a permanência na 1a divisão. Como sertanejo fico triste com o time do Esporte, que teve tantas dificuldades para entrar nesse campeonato, sofreu processos judiciais e agora pena no certame, com salários atrasados e outros problemas que passam  o Patinho, que com um time modesto, conseguiu ser campeão da segundona 2015 do Paraibano.

Patos é a cidade mais importante do Sertão, tem mais de cem mil habitantes, e ganhou recentemente um empreendimento de uma multinacional francesa, Carrefour, que construirá um belo supermercado na morada do sol. O futebol não acompanhou a trajetória da economia da cidade de Major MIguel, pois Nacional e Esporte passaram uns dois ou três anos sem participar do campeonato Paraibano, devido a graves problemas financeiros. O Naça continua na segundona, acho que esse ano deve participar de novo, para ver se pode preencher à lacuna do Esporte. Eu espero que o futebol patoense possa fazer uma reformulação e dar aos seus torcedores dias melhores, pois essas equipes que aí estão, até agora só vão dar ataque de fúria a seus torcedores. Seria muito bom para a nossa região um campeonato com os times de Cajazeiras Sousa e Patos, assim evitaríamos mais despesas para Campina e João Pessoa.

Fiquei triste com o Paraíba, pois o time vinha fazendo uma boa campanha, com chances de ir até a semifinal, mas jogando em João Pessoa, a sua defesa mais uma vez resolveu errar à vontade, já que foi visto nos lances da TV, e deixa seus torcedores preocupados, a falta de sintonia dos seus zagueiros foi essencial para que o CSP  desenvolvesse seu futebol e saísse de campo com uma boa vantagem. A Cobra Coral tem amplas possibilidades de virar o marcador aqui dentro do Perpetão e sonhar com um futuro colorido no nosso futebol, pois está em jogo a vaga da série D e  no próximo ano a Copa do Brasil. Sua diretoria fixou um prêmio de 60.000 a 80.000 caso o time consiga ir bem longe na competição, mas alguns atletas, infelizmente tentam estragar à coisa, não se valorizam, e fazem coisas não condizentes com a carreira profissional de atleta. Louvamos sua organização, e esperamos que daqui para o dia 24 deste, os Corais possam dar a volta por cima e trazer um resultado muito satisfatório, para deleite de sua torcida, ansiosa pelas boas novas.

Pois bem, estamos quase garantidos em 2017, espero que o Naça faça qualquer coisa para arrumar uma vaga na segundona, ah! ia me esquecendo também do Naça pombalense o do colorado de Teixeira, times sertanejos, que esperamos venham a participar do torneio de acesso. A situação está muito difícil, pois o país vive uma difícil situação  econômica terrível com desacertos em quase todos os quesitos, e o sertão é uma região muito pobre, e a Paraíba até agora não ganhou nenhum investimento que proporcione renda e trabalho; o futebol se encarrega de suprir à lacuna deixada pela ausência de soluções governamentais. Espero que um dia o nosso sertão tenha equipes competitivas que possam concorrer ao título estadual. Voltando ao Atlético, já ouvi alguns membros da imprensa pedir para repetir a zaga para o próximo ano, já que ela se saiu a contento na reta final, esperemos para ver. Terminando este comentário, quero lembrar de um ex colega do estadual, falecido dias atrás em Natal-RN, trata-se de Valmir, que era um dos melhores atletas, senão o melhor de handebol, que era disputados nos áureos tempos da semana universitária. Em 1977, o torneio de handebol foi muito bom pela qualidade das equipes, e o estadual levou o título graças aos potentes tirambaços de Valmir, que mais vez fez a diferença. Hoje o negão deve estar arremessando seus potentes arremessos nos campos do senhor, que Deus o ampare, Amém.

 

Hugo Ferreira Pinto

 

COMPARTILHAR