Lições de Santa Maria

A tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria no Rio Grande do Sul, onde cerca de 235 jovens morreram de forma trágica e mais de 500 feridos, destes 77 internados em estado grave. Com apenas uma saída, janelas bloqueadas e mais gente do que o permitido por lei, a boate Kiss, em Santa Maria, foi transformada em uma câmara de gás quando as chamas de fogos de artifícios se alastraram pela espuma sintética que revestia o teto da c asa noturna.

Isso tudo não tem um cheirinho do velho “jeitinho brasileiro”? Velho não! O jeitinho brasileiro continua cada vez mais atual. Só que agora de uma forma mais aprimorada.

O acidente só retrata os vícios do passado, aprimorado no Brasil do Presente. Cabe aqui uma pergunta: Por que uma casa de diversões daquelas dimensões, sem alvará de segurança e funcionamento, funcionava plenamente? Segundo o que se apurou o alvará venceu em agosto de 2012 e não fora renovado porque a casa não atendia aos requisitos de segurança.

A resposta para essa pergunta é simples e óbvia: O Brasil é o país da propina, da peita. Por essas bandas, tudo se consegue desembolsando um dinheirinho. Consegue-se a libação da multa de trânsito, soltando “algum”´para o guarda. Consegue-se que o Oficial de Justiça proceda à citação e penhora. Consegue-se que o Juiz prolate a sentença favorável. Consegue-se que a Administração municipal aprove o projeto de construção irregular. Consegue-se alvará de funcionamento de qualquer estabelecimento, seja comercial, de prestação de serviço, o de lazer, mesmo que estes não atendam aos requisitos descritos na lei.

É se consegue tudo que se desejar perante os agentes do governo. Só não se consegue fazer cumprir a lei.

E a nossa “linda Cajazeiras” não está fora deste contesto, não. Afinal, ela pertence a esse Brasil de meu Deus. Como conseguiram instalar as antenas no morro do Cristo Rei? Onde estão os Relatórios de Impacto Ambiental para tal? Como conseguiram alvarás para construir nas margens do Açude grande? Ou tudo aquilo é invasão? E os esgotos para dentro do açude? E quem conseguiu a manobra espetacular doando o galpão da antiga CIBRAZEM para uma empresa privada? E os loteamentos da cidade? Onde estão aterrando riachos e desmatando as matas siliares. Quem está liberando esses loteamentos?

Enfim, se fôssemos citar irregularidades em nossa cidade, iríamos cansar os nossos leitores.

O fato é que ninguém pode acreditar nas nossas autoridades, quando se trata de defesa, de segurança e de cidadania.

Esperamos que a tragédia de Santa Maria venha despertar a verdadeira cidadania em todos os brasileiros. Que não fique somente na comoção pública. Que o calor e a revolta não passe barato, que os culpados paguem pelos seus crimes e que a justiça cumpra o seu papel ou “tudo volta como dantes no quartel de Abrantes”. Se a população não reagir, promovendo uma revolução de cidadania, denunciando e acionando o ministério público, cobrando das autoridades, usando todo espaço possível na imprensa. Se não assumirmos a nossa cidadania plena, se a nação brasileira não se despertar, usando a sua maior arma “o voto”. Aliás, voto não é arma, voto é o pleno exercício de cidadania e democracia, o voto deve ser a nossa maior fonte de esperança e busca da verdadeira qualidade de vida. Conclamamos a todos a uma revolução pacífica e inteligente, lançando o programa “Tolerância Zero” em busca de soluções para as mazelas da República. Porque do contrário, coisas iguais ao incêndio da boate de Santa Maria, continuarão acontecendo.

Por: Afonso Jr.

COMPARTILHAR