Marido confessa ter estrangulado modelo com cinto de segurança do carro

Encontrada morta no último sábado (19/10), em Fortaleza (CE), a modelo Maria Lucilene da Silva foi estrangulada com o cinto de segurança do carro dela e do marido, Francisco Hélio Batista, que foi preso apontado como principal suspeito do crime.

Um amigo de Hélio, que teria ajudado a ocultar o corpo da modelo, também está preso na Delegacia de Capturas da capital cearense.

O corpo de Lucilene foi encontrado cinco dias após a família registrar Boletim de Ocorrência por seu desaparecimento.

Em entrevista ao Diário do Nordeste, a delegada do 12º Distrito Policial, Arlete Silveira, deu detalhes do depoimento de Hélio, que narrou cenas do crime. “Em depoimento ele confessou o crime. Disse que a matou em um excesso de raiva, de ciúmes, após um telefonema. Ele narra os detalhes, diz que a matou estrangulada com o cinto de segurança. E que teria ocultado o corpo com a ajuda de um amigo”, afirmou  delegada ao site local.

A modelo foi vista pela última vez deixando o prédio em que morava. Na versão do suspeito, os dois estavam saindo para um bar. Porém, a delegada atentou para o detalhe de que Lucilene estava de pijama quando deixou o prédio. No dia seguinte, Hélio voltou sozinho para casa.

Na investigação, diz ainda o site local, a polícia coletou depoimentos de vizinhos que relataram ouvir brigas frequentes do casal.

Preso, o suspeito indicou a localização do corpo da modelo, deixado em um terreno de difícil acesso.

O caso segue em investigação. O enterro do corpo da modelo será nesta segunda-feira (21).

 

Créditos/180graus.com

COMPARTILHAR