Morre idosa de 126 anos que pode ser mulher que mais viveu no mundo

A idosa Maria Gonçalves dos Santos, de 126 anos, que pode ter sido a mulher que viveu por mais tempo no mundo, morreu na quinta-feira (15), no município de Medeiros Neto, na região sul da Bahia. A morte foi confirmada pelo abrigo Lar dos Idosos São José, onde a mulher vivia há mais de 20 anos. O enterro ocorreu às 10h manhã desta sexta-feira (16), no cemitério Alto da Colina.

“Ela não tinha uma consciência perfeita, mas tinha laços de lucidez. Era uma pessoa tranquila e bastante amorosa. Sempre encostava o rosto em quem se aproximava e ficava beijando”, disse Vera Lúcia, que é funcionária do abrigo e ajudava a cuidar de dona Maria. Ela conta que a idosa morreu de causas naturais.

Maria Gonçalves pode ser a mulher que viveu por mais tempo até hoje. Ela nasceu em Salinas, cidade de Minas Gerais, no dia 24 de junho de 1890.

Maria tinha dez anos a mais que a italiana Emma Morano, de 116 anos, que desde maio desse ano ocupa o cargo de mais velha do mundo, segundo o Guinness World Records, o “Livro dos Recordes”. Emma, que nasceu em 29 de novembro de 1899, passou a ocupar o posto após a morte da americana Susannah Mushatt Jones, de 116 anos, que era moradora de Nova York e ostentava título.

Dona Maria também desbanca a francesa Jeanne Louise Calment, que de acordo com o Guinness, detém o título de pessoa que mais tempo viveu em toda a história (ao menos comprovadamente): ela morreu em 1997, aos 122 anos e 164 dias de idade.

A família de dona Maria era formada por pessoas que conviviam com ela no abrigo. A idosa estava sem andar há cerca de um ano, desde que perdeu a firmeza nas pernas, e passava a maior parte do tempo deitada na cama. A memória e lucidez também foram se perdendo ao longo do tempo.

 

Do G1 BA, com informações da TV Santa Cruz

COMPARTILHAR