O clamor por água em Cajazeiras-PB

Zona Norte de Cajazeiras- Uma das regiões mais castigadas com as manobras da CAGEPA /Foto Portal Alto Sertão

O sistema de abastecimento d’água de Cajazeiras sofreu, nos últimos dias, a maior crise desse período de racionamento, que vem sendo posto em prática desde o ano passado. A água não tem chegado às torneiras das residências com uma regularidade prevista, deixando as famílias em situação de desespero.

O quadro é mais grave em alguns bairros de áreas mais altas da cidade, principalmente da zona norte. Os moradores têm reclamado que estão ficando sem o abastecimento durante períodos de 10 a 12 dias, e com um agravante: os papéis com as contas do consumo chegam  regularmente no final de cada mês, como se tudo tivesse normalizado.

A Gerência Regional da Cagepa tem explicado que vem fazendo o possível para amenizar o problema. Depois de muitas cobranças sobre essa última crise que atingiu praticamente toda a cidade, a Companhia emitiu comunicado, afirmando que houve problemas na adutora e no sistema flutuante. Aliás, a população tem razão em reclamar, principalmente porque está pagando as contas de um consumo prejudicado pela irregularidade do abastecimento.

A verdade é que estamos diante de uma situação preocupante: o açude Engenheiro Avidos com um volume crítico, não oferece nenhuma segurança de abastecimento por mais alguns meses. Se não chover o suficiente para uma recarga logo no início do ano, o sistema entrará em colapso total. E aí? O que fazer? A cidade está preparada para conviver com esse sério problema? A Cagepa tem algum plano? Certamente, vamos passar por maus momentos na terra do Padre Rolim.

A população da zona norte, que parece ser a mais prejudicada com a falta d’água, tem cobrado com insistência a conclusão da adutora de Lagoa do Arroz, uma obra que vem se arrastando há alguns anos, e que poderia já estar em funcionamento. Lamentavelmente, não se tem uma posição oficial ainda sobre o término dessa obra, tão necessária agora nestes tempos de grave crise hídrica.

Pois bem, essa é a maior inquietação do momento da sociedade cajazeirense, que teme maiores dificuldades com um possível colapso no seu abastecimento de água. O quadro já é muito difícil e pode se agravar ainda mais. Até quando vamos esperar por alguma ação emergencial?

 

José Anchieta/Jornal Gazeta

 

COMPARTILHAR