PF cumpre mandados em prefeitura do Ceará contra deputado federal suspeito de compra de votos

Agentes da PF cumprem 17 mandados contra esquema de compra de votos em Juazeiro do Norte, no Ceará — Foto: Isaac Macêdo

A Polícia Federal cumpre mandados na manhã desta quinta-feira (20) na sede da Prefeitura de Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, durante uma operação que investiga um esquema de compra de votos durante as eleições deste ano. Conforme a PF, o deputado federal eleito Pedro Bezerra (PTB-CE) é alvo de investigação por suspeita de se beneficiar do esquema ilícito.

Segundo o agente da Polícia Federal, Arthur Rocha, o deputado, que é filho do prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, teria vencido a eleição de 2018 com uso ilegal de recursos públicos e também coagindo funcionários públicos da prefeitura.

O G1 entrou em contato com o prefeito Arnon Bezerra e com a sede do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) no Ceará, mas as ligações não foram atendidas. Um familiar informou que eles estão ficando a par das investigações e devem se manifestar sobre os detalhes da operação no decorrer do dia.

Segundo o agente da Polícia Federal Arthur Rocha, foi constatado que os investigados estavam usando uma das secretarias para obrigar os funcionários não concursados a “trabalharem em prol e votarem no candidato que estava concorrendo a deputado federal. Foi uma denúncia que a gente recebeu na época das eleições”, explicou.

Durante operação, agentes cumpriram 17 mandados na sede da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, na Secretaria de Meio Ambiente da cidade, em residências de empresários, secretários, . Um hospital na cidade do Crato, uma fundação localizada em Juazeiro do Norte e a casa de um secretário e empresário em Barbalha também foram vistoriados pelos policiais federais, além de uma residência em Fortaleza e em Viçosa do Ceará.

Na ação, os policiais apreenderam celulares e documentos. O material recolhido foi levado para a sede da Polícia Federal e será analisado pelos investigadores. “A maioria das informações vitas e mais importantes foram encontradas nos telefones. Observamos contas, nomes de empresa, movimentações financeiras e por isso há a investigação”

‘Graham Bell’

A operação foi nomeada de “Graham Bell”, o inventor do telefone. Conforme a Polícia Federal, a investigação se deu após apurações feitas com telefones apreendidos na primeira fase da operação, batizada de Voto Livre. A ação foi realizada na véspera do primeiro turno das eleições de 2018.

“A Operação Graham Bell é a segunda fase Operação da Operação Voto Livre. Essa operação deu-se dias antes do pleito eleitoral deste ano que o objetivo era para apurar denúncias a máquina pública do município estava sendo utilizado para em prol da eleição de um candidato a deputado federal aqui da cidade. E após a primeira fase com a análise da documentação apreendida e dos equipamentos inclusive de telefones particulares e computadores surgiu essa segunda fase da operação”.

 

Por G1 CE

COMPARTILHAR