Rir, chorar ou vomitar?

Nos anos oitenta o então Governador do Ceará Gonzaga Mota cunhou a frase: “A política é dinâmica”, parafraseando o filósofo grego Aristóteles, foi marcante, e ainda hoje, alguns “políticos” a citam para justificar a falta de compromisso e de fidelidade com os partidos ou com as ideologias.

A palavra “política”, tem dois significados na linguagem corrente: a) a ação planejada do estado em alguma atividade específica (por exemplo, política ambiental, política social, política econômica, etc.) e b) disputa partidária (ou de grupos ou classes) visando conquistar o poder de estado. O primeiro significado é aceitável embora possa ser substituído pelo conceito de planejamento estatal mas o segundo não passa de uma concepção burguesa da política no qual só merece o reconhecimento de luta política aquela que se dirige diretamente para o estado capitalista e é só ele que pode“sancionar” o caráter político dessa luta.

Diante dos últimos acontecimentos que vem ocorrendo na Paraíba, vemos que a política é dinâmica porque é canalha, cuja disputa pelo poder extrapola o bom senso e o respeito ao eleitor.Um exemplo disso foram as últimas convenções dos partidos e coligações. Montaram verdadeiros circos, armaram os picadeiros, contrataram os “artistas”, chamaram os espectadores, diga-se a massa de manobra. Tudo regado com bebidas e petiscos. Um verdadeiro circo onde, na realidade, os palhaços foram os espectadores, o povão manobrado. Saíram das respectivas convenções com as “chapas” montadas, e o povão gostando. Mas pelas madrugadas, para a surpresa de todos,  outros nomes foram outorgados. É jocoso, se não fosse trágico e vergonhoso.

E porque não falarmos dos conchavos onde adversários que chegavam a ser inimigos históricos estão hoje nos mesmos palanques, caíram por terra as ideologias, as brigas políticas, as críticas, as baixarias em forma de insultos, tudo em nome da dinâmica da política ou da famigerada “democracia”. Tudo é jogo de interesses demagogos, egoístas e cede pelo poder.

Verifica-se cada vez mais que homem atual não luta mais por o ideal coletivo, mas sim por seus interesses pessoais, para alcançar o poder e o capital. Ele usa a massa apenas como manobra…

A política é dinâmica porque é canalha. Uma verdadeira palhaçada, deixando-nos com um sentimento de impotência e revolta. Será que dá para rir ou chorar? Ou, não seria melhor “vomitarmos”?

COMPARTILHAR