A indignada promessa de vingança do Irã após morte do general Qasem Soleimani em ataque dos EUA

A imprensa dos EUA relatou que Soleimani saía do aeroporto de Bagdá acompanhado de outras pessoas quando foi atacado por drones americanos.Getty Images

Após a morte nesta sexta-feira (3/1) do general iraniano Qasem Soleimani, líder da força de elite da Guarda Revolucionária (Quds), provocada por um ataque dos EUA no Iraque, o Irã prometeu uma “vingança severa”.

O ataque contra Soleimani — ocorrido quando ele e sua comitiva deixavam o aeroporto de Bagdá, capital do Iraque — foi executado por ordem do presidente Donald Trump, segundo confirmado pelo Pentágono.

A morte de quem era considerado o segundo homem mais poderoso no Irã, só atrás do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, foi confirmada também pela Guarda Revolucionária do Irã.

O ataque, segundo a correspondente internacional da BBC Lyse Doucet, propiciará uma “escalada em uma situação que já é extremamente tensa e volátil”.

Soleimani não era só a figura militar mais poderosa do país, considerado o cérebro por trás da enorme ambição do Irã no Oriente Médio, mas também o verdadeiro chanceler em temas de guerra e paz, diz Doucet.

 

BBC

COMPARTILHAR