(Entrevista Reprise)Ex-jogador de futebol conta como virou evangélico, e prega palavra de Deus pelas ruas de Cajazeiras – PB

José de Arimatéia Cabral, 63 anos ex-jogador de futebol, padeiro e evangélico -conheça um pouco da trajetória de Beré. Veja o Vídeo na Entrevista da Semana.

Time do Duque de Caxias- Beré o 1° da esquerda para direita
Time do Duque de Caxias- Beré o 1° da esquerda para direita no Higino Pires Ferreira

Carreira no futebol

Beré fala com satisfação e relembra com muita emoção os tempos de jogador de futebol. O ex-craque que atuou por times como:  Atlético, Botafogo, Duque de Caxias, Esporte de Patos,  Quixadá-CE e Có-Iguatu, ”agradece  o dom de ter tido a sorte de  jogar ao lado de grandes craques, na minha época jogava-se futebol por amor a camisa e não por dinheiro, Beré ainda ressalta que a profissão jogador era discriminada e vista pelas pessoas como vagabundo, diferente de hoje que é uma bênção ser jogador de futebol, até pela fortuna que adquirem durante a carreira”.

Beré com o filho nos braços, ao lado de Roberto Dinamite durante o jogo Atlético X Vasco no Perpetão
Beré com o filho nos braços, ao lado de Roberto Dinamite durante o jogo Atlético X Vasco no Perpetão

A profissão de padeiro e o tradicional pão de Saora

”Beré conta que ao encerrar a carreira de jogador, ingressou na profissão de padeiro e com muito trabalho ao lado da família, mantém sua padaria e a tradicional marca deixada pelo seu pai, o famoso pãozinho de Saora, que é vendido para várias partes do Brasil. É aqui na minha padaria que honestamente ganho o pão de cada dia”.

Evangelizando e pregando a palavra de Cristo pelas ruas de Cajazeiras

Agora evangélico ”Beré conta que recebeu um chamado de Deus, e há 20 anos em oração pediu um sinal, onde em uma determinada madrugada teve um sonho com uma caixa de som e um microfone. Eu orei muito e recebi esta confirmação para que eu realizasse este trabalho, porque bom é você sentir-se feliz com o que faz. A bíblia ensina para que o povo tenha uma direção divina e não carnal. Agora pregando a palavra de Cristo, fui liberto do vício do álcool e do cigarro, algo que atrapalhou a minha carreira no futebol”. Vivo muito feliz com o que faço.

Reportagem e Edição/Beto Cézar

(Entrevista realizada em 8 de Setembro de 2016)

Portal Alto Sertão.com.br- A notícia com responsabilidade

COMPARTILHAR