Padre renuncia ao respirador para salvar vida de jovem

P. Giuseppe Berardelli, de Casnigo, na diocese italiana de Bergamo

Um padre de 72 anos, com coronavírus, faleceu no último dia 16 de março, na Itália, depois de desistir do respirador que precisava ser dado a um paciente mais jovem. É o P. Giuseppe Berardelli, do comune de Casnigo, na diocese italiana de Bergamo, a mais atingida pelo COVID-19. O respirador que desistiu havia sido comprado pela comunidade paroquial a que servia.

O padre Berardelli faleceu no hospital de Lovere.

“Ele era um padre que ouvia todo mundo, sabia ouvir, quem quer que se dirigisse a ele sabia que podia contar com sua ajuda”, disse Clara Poli, durante anos prefeita de Fiorano, e enfatizou que graças ao padre, junto com outro padre, foi aberto um centro de ajuda para as famílias. “Quando ele era visto passando, estava sempre feliz e cheio de entusiasmo. Isso deu paz e alegria à nossa comunidade “, afirmou.

Giuseppe Berardelli nasceu em 21 de agosto de 1947, em Fonteno Modenese (Modena). Foi ordenado sacerdote em 30 de junho de 1973.

Desde que o coronavírus chegou à Itália, mais de 50 padres morreram na península.

A epidemia de coronavírus COVID-19 continua causando estragos junto ao clero italiano, especialmente nas dioceses do norte da Itália.

Segundo dados fornecidos ao jornal da Conferência Episcopal Italiana, Avvenire, o número já chega a mais de 50 padres que morreram do coronavírus, em 20 dias. A maioria deles são padres com mais de 70 anos. Desde sexta-feira, 20 de março, 10 padres morreram.

Dos padres falecidos, 20 são da diocese de Bérgamo, 6 da diocese de Parma, 4 da arquidiocese de Milão, 4 da diocese de Cremona, 4 da diocese de Lodi, 3 da diocese de Pesaro, 2 da diocese de Piacenza-Bobbio e 2 da diocese de Brescia.

Da mesma forma, nas dioceses de Nuoro, Pavia, Trento, Bolzano-Bressanone, Reggio Emilia-Guastalla, Casale Monferrato, Tortona, Salerno-Campagna-Acerno, Vallo della Lucania, 1 padre morreu em cada um.

Dos padres que morreram até agora, o mais novo é o padre Sandro Brignone, 45 anos, da diocese de Salerno. Em vez disso, o mais velho é o padre Mario Cavalleri, 104, da diocese de Cremona.

 

(Redação www.oriundi.net com informações de ACI digital)

COMPARTILHAR